Projeto Horta Escolar para Plantas Medicinais e Aromáticas e a Criação de um Blog para Acompanhar a sua Execução

 

Projeto Horta Escolar para Plantas Medicinais e Aromáticas e a Criação de um Blog para Acompanhar a sua Execução.

Autoria:

Fabiana Cristina Costa

Resumo:

Consiste o presente Projeto na implantação de uma horta escolar voltada para plantas medicinais e aromáticas. Para acompanhar a sua execução propomos a criação de um Blog com o objetivo de se promover uma maior interação Professor/Aluno incentivando assim a utilização de tão preciosa ferramenta de ensino.

 1 – Tema

Horta medicinal na escola.

 

2 – Disciplina(s) envolvida(s)

Ciências, Português, Matemática e Biologia.

 3 – Público Alvo

O projeto é adequado para os alunos da Escola Municipal Amaro Ferreira de Miranda em Tamandaré/PE do 2º ano do Ensino Fundamental e seus Familiares.

 

4 – Competências

Orientados pelo Educador, os alunos irão participar de todas as etapas inerentes a implantação do Projeto (escolha do local, dimensionamento, escolha das mudas e espécies, plantio e colheita, métodos de utilização, etc.)

 5 – Conteúdo Programático

Hortas escolares são instrumentos que, dependendo do encaminhamento dado pelo educador, podem abordar diferentes conteúdos curriculares de forma significativa e contextualizada e promover vivências que resgatam valores.

6 – Objetivos

Objetivo Geral:

Desenvolver ações, complementares ás atividades curriculares escolares, que possibilitem aos educadores, alunos, seus familiares e a comunidade onde estão inseridos a construírem coletivamente uma alternativa de utilização de remédios naturais com o cultivo de plantas medicinais.

 Objetivos Específicos:

Capacitar alunos, professores, funcionários, familiares e comunidade local em relação às questões ambientais e educação alimentar;

Incentivar o desenvolvimento do espírito de participação cidadã na defesa do meio ambiente local e global por parte da comunidade escolar, com enfoque na melhoria da qualidade de vida;

Desenvolver hortas medicinais de forma a aproximar o aluno da convivência e preservação do verde, do consumo consciente e de vida mais saudável. Despertar o interesse das crianças para o cultivo de horta e conhecimento do processo de germinação;

Dar oportunidade aos alunos de aprender a cultivar plantas utilizadas como remédios;

Conscientizar da importância de estar utilizando um medicamento natural;

Criar, na escola, uma área verde produtiva pela qual, todos se sintam responsáveis;

Estimular os alunos a construírem seu próprio conhecimento no contexto interdisciplinar;

Contextualizar os conteúdos aos problemas da vida urbana;

Construir a noção de que o equilíbrio do ambiente é fundamental para a sustentação da vida em nosso planeta

7 – Justificativa

Um número crescente de educadores tem refletido e muitas vezes buscado cumprir o importante papel de desenvolver o comprometimento das crianças com o cuidado do ambiente escolar: cuidado do espaço externo e interno da sala ou da escola, cuidado das relações humanas que traduzem respeito e carinho consigo mesmo, com o outro e com o mundo.

A reflexão sobre o ambiente que nos cerca e o repensar de responsabilidades e atitudes de cada um de nós, gera processos educativos ricos, contextualizados, significativos para cada um dos grupos envolvidos.

 O Projeto Horta Escolar para Plantas Medicinais e Aromáticas com futura implantação na Escola Amaro Ferreira de Miranda em Tamandaré/PE, tem como proposta produzir, cultivar, manipular e usar mudas de plantas medicinais a partir de espécies da região e estimular a produção de produtos das mesmas como chás, xaropes, sucos, ungüentos, pomadas, banhos, etc. resgatando com isso o uso de remédios alternativos e naturais, no desejo de poder auxiliar a comunidade acadêmica e local no tratamento e prevenção de doenças mais comuns e de menor gravidade, possibilitando assim um acesso alternativo a cura pelo poder das plantas medicinais.

Neste contexto, o cultivo de hortas escolares pode ser um valioso instrumento educativo. O contato com a terra no preparo dos canteiros e a descoberta de inúmeras formas de vida que ali existem e convivem, o encanto com as sementes que brotam como mágica, a prática diária do cuidado – regar, transplantar, tirar matinhos, espantar formigas com o uso da borra de café ou plantio de coentro, o exercício da paciência e perseverança até que a natureza nos brinde com a transformação de pequenas sementes em plantas viçosos e coloridas. Estas vivências podem transformar pequenos espaços da escola em cantos de muito encanto e aprendizado para todas as idades.

Hortas escolares são instrumentos que, dependendo do encaminhamento dado pelo educador, podem abordar diferentes conteúdos curriculares de forma significativa e contextualizada e promover vivências que resgatam valores.

 Muitos estudos científicos suportam e confirmam a eficácia e a segurança do uso terapêutico de determinadas plantas medicinais. Sua eficiência terapêutica e a toxicologia ou segurança do uso, dentre outros aspectos, estão cientificamente aprovadas a serem utilizadas pela população nas suas necessidades básicas de saúde, em função da facilidade de acesso, do baixo custo e da compatibilidade cultural com as tradições populares, entretanto deve haver uma maior preocupação no sentido de auxiliar quanto ao modo correto de uso e alertar quanto à toxidez de algumas espécies.

 8 – Recursos didáticos

Serão utilizados, além dos recursos didáticos oficiais, a pesquisa na internet.

 9 – Metodologia

A horta é um local onde se pode cultivar vários tipos de temperos e ervas medicinais.

Visitação à horta: reconhecimento do espaço em que será feito o plantio. Nesta etapa, os Professores devem aproveitar para conversar com os alunos, abordando questões como: o que é uma horta, para que serve, o que vamos plantar nela.

LOCAL DA HORTA

Para plantar uma horta, você pode usar o quintal, um cantinho qualquer e até mesmo vasos e caixotes. Alguns cuidados devem ser tomados para escolher e preparar o terreno, pois dele vai depender o bom desenvolvimento das plantas e a boa produção da sua horta.

ESCOLHA DO TERRENO

Se possível, o local deve tomar sol o dia inteiro.

Deve se plano ou levemente inclinado.

Não deve ser encharcado.

A terra deve ser adubada.

A água para molhar deve ser pura e limpa, para não contaminar as plantas. Isto é importante porque você pode ter o hábito de comer alguns alimentos crus.

O terreno para a horta deve ficar a afastado, no mínimo, 5 metros de privadas, chiqueiros ou esgotos.

PREPARO DO TERRENO

  

Limpar ou capinar a área, ajuntando todo o mato em um canto. O material retirado servirá, depois de apodrecido, como adubo orgânico (esterco).

Cavar o terreno na profundidade de 20 centímetros.

Desmanchar os torrões, usando enxada ou enxadão, deixando o terreno bem fofo.

PREPARO DOS CANTEIROS

Posição:

Em terrenos inclinados, os canteiros devem ficar atravessados em relação à queda do terreno para evitar que as águas das chuvas os destruam. Deve-se fazer uma cercadura, porque a regagem constante causa erosão nas beiradas do canteiro e diminui a área útil a ser plantada. A cercadura pode se feita com a própria terra do canteiro, tábuas, tijolos, madeira roliças ou qualquer material que segure a terra.

Dimensões:

Altura: 15 a 20 centímetros.

Comprimento: 5 metros. Pode ser maior dependendo da disponibilidade do terreno.

Largura: na beira da cerca, meio metro; no meio da horta, 1 metro.

Distância entre um canteiro e outro: de 30 a 50 centímetros.

As medidas ideais para um canteiro são as indicadas aqui. Mas, você deve fazer os canteiros do tamanho que a sua área permitir e até mesmo usar caixote ou vaso.

FERRAMENTAS

As ferramentas mais comuns que podem ser usadas numa horta são: colher, ancinho, enxadinha, regador, mangueira, enxada, enxadão. Se você não tem todas, pode aproveitar algum material disponível que tem em casa e fazer suas próprias ferramentas, ou mesmo substituir algumas.

 SEMENTEIRA:

É o local onde se planta as sementes para obter as mudas que serão transferidas para o canteiro. A sementeira é muito importante porque o bom desenvolvimento das plantas vai depender da qualidade das mudas. A sementeira de uma horta escolar pode ser feita na ponta de uma canteiro comum, geralmente 2 ou 3 m2 de canteiro são suficientes.

Veja alguns cuidados importantes para fazer uma sementeira:

Usar 1 parte de terra; 1 parte de esterco (composto orgânica) e 2 partes de areia. Misturar bem e peneirar.

Não use adubo químico na sementeira.

Fazer sulcos ou reguinhos, com a terra já umedecida, de 10 em 10 centímetros de distância, com 1 a 2 centímetros de fundura para colocar as sementes. Os reguinhos devem ficar atravessados na sementeira.

Semear a quantidade necessária de sementes, de acordo com o seu canteiro e o número de mudas que deseja.

Para cobrir as sementes nos reguinhos, peneirar em cima da sementeira uma camada fina de terra.

Cobrir a sementeira com saco ou capim.

Logo após as mudinhas nascerem, levantar esta cobertura e firmar com forquilha de madeira.

A posição da sementeira deve ser atravessada em relação ao sentido do sol.

Regar duas vezes ao dia, de manhã e à tarde.

Arrancar o mato sempre que for preciso.

Molhar bem a sementeira quando for retirar as mudas.

Tirar as mudas quando as plantinhas tiverem 4 a 6 folhas.

Usar uma colher comum ou colher de transplante para tirar as mudas.

As raízes não devem ser prejudicadas.

PLANTIO

Plantio de Mudas:

Neste tipo de plantio são usadas as mudas vindas da sementeira.

As mudas devem ser escolhidas sempre preferindo as mais fortes e sadias e devem ser retiradas da sementeira, se possível, com a terra.

Mas, de 8 a 10 dias antes de transferir as mudas, o canteiro deve receber adubação orgânica e química. Você deve misturar à terra do canteiro 3 a 4 litros do composto orgânico (esterco) e 10 colheres das de sopa (100 gramas) do adubo NPK 4-18-8, para cada metro quadrado de canteiro.

As mudas não devem ser enterradas de mais na terra, 30 centímetro de espaçamento uma da outra e 2 a 3 centímetros de profundidade. Aperte um pouco para ficar firme

As raízes das mudas não podem ficar dobradas. Mudas com raízes tortas ou quebradas não devem ser aproveitadas.

O transplantio deve ser feito à tardinha, com o tempo fresco.

Após o plantio, todas as mudas devem se regadas.

25 dias depois da mudança das mudas, regar com salitre ou sulfato de amônia, sempre à tardinha, usando: 1 (uma) colher das de sopa para cada 10 litros de água, que serão aplicados em cada 1 (um) metro quadrado de canteiro. Em seguida, regar bem com água limpa para evitar que as folhas fiquem queimadas.

ADUBAÇÃO

Os adubos são usados para ajudar no crescimento das plantas. Eles podem ser químicos ou orgânicos. O adubo químico é o que você já compra pronto como, por exemplo, o salitre do Chile, o sulfato de amônia e o NPK 4-14-8. Os adubos orgânico e o lixo curtido.

ADUBO CASEIRO

O esterco animal (tirado do curral ou galinheiro) pode ser substituído por outro tipo de adubo orgânico, feito com o seguinte material: folhas em feral, restos de cozinha, mato capinado, cinzas, restos de animais, cascas de frutas e outros. É fácil preparar em casa mesmo o adubo orgânico.

PRAGAS

Besouros, Caracóis, Lesmas, Tatuzinhos, Lagartas, Pulgões etc:

Para combater estas pragas, usar a seguinte solução:

Extrato de nicotina – Ingrediente: 20 (vinte) centímetros de fumo de rolo forte e 4 (quatro) litros de água.

Picar o fumo e ferver durante 30 (trinta) minutos em 1 (um) litro de água. Retirar do fogo e deixar esfriar. Coe em pano fino e misture com mais 3 litros de água. O produto obtido é pulverizado sobre as pragas. Ter cuidado de aplicar rapidamente, porque seu efeito só dura 8 horas.

TRATOS

Aqui estão alguns tratos importantes numa horta, para que suas plantas cresçam sadias e viçosas:

Regar, molhar ou aguar: Os canteiros devem ser molhados duas vezes por dia, de manhã e à tarde. Se não tiver condições de aguar duas vezes, regue pelo menos uma vez, à tardinha. Este tipo de trato é conhecido com irrigação.

Capinar: O mato que nascer nos canteiros deve ser retirado toda semana para não prejudicar o crescimento das plantas.

Fofar: Uma vez por semana, é preciso fofar bem a terra. Este cuidado é conhecido também como escarificação.

CUIDADOS

Sementes: Quando for comprar as sementes, é preciso verificar a procedência , espécie , validade e variedade com cuidado. Cada tipo de semente deve ser semeada de acordo com a melhor época da plantio.

Os inseticidas: Os inseticidas químicos não devem ser usados na horta, pois isto pode trazer sérios problemas para a saúde humana, já que muitos alimentos são utilizados também crus.

Água: Não use água suja (poluída) para regar os canteiros, porque isto pode danificar as plantas e trazer problemas para sua saúde.

ACOMPANHAMENTO DA EXECUÇÃO

Para acompanhar a execução e acompanhar a interação com os alunos, será criado um BLOG onde serão postadas todas as etapas do Projeto assim como os resultados das avaliações.

 10 – Avaliação

Serão realizadas autoavaliações através de relatórios, debates, encontros, afim de dar continuidade aos trabalhos com seriedade, sendo que os alunos serão acompanhados por professores que darão todo o suporte para o desempenho das atividades.

11 – Produto Final

Resultados serão divulgados em encontros de extensão, seminários, semana do conhecimento, feiras de ciências, etc.

 12 – Cronograma

Por ser uma atividade de realização contínua, a execução do projeto será iniciada no segundo semestre de 2011 e a proposta é renovar o Projeto a cada ano letivo.

 12 – Resultados Obtidos

A proposta do Projeto a ser executado será produzir, cultivar, manipular e usar mudas de plantas medicinais a partir de espécies da região e estimular a produção de produtos das mesmas como chás, xaropes, sucos, ungüentos, pomadas, banhos, etc. resgatando com isso o uso de remédios alternativos e naturais, no desejo de poder auxiliar a comunidade acadêmica e local no tratamento e prevenção de doenças mais comuns e de menor gravidade, possibilitando assim um acesso alternativo a cura pelo poder das plantas medicinais.

 

13 – Referências Bibliográficas

http://www.projetospedagogicosdinamicos.com/PROJETO%20HORTA_PPD.pdf

 http://www.rebrae.com.br/natal/Projeto%20Educando%20com%20a%20Horta%20Escolar.pdf

 http://www.scribd.com/doc/12891888/PROJETO-HORTA-ESCOLAR

 http://tilz.tearfund.org/Portugues/Passo+a+Passo+41-50/Passo+a+Passo+48/Hortas+medicinais.htm

 http://www.esalq.usp.br/siesalq/pm/p05.pdf

 ALBACH, A. A Flora Nacional na Medicina Doméstica. 17. ed. São Paulo, edições ” A Edificação do lar”, s.d. 919 p. il.2v.

 CORREA,M.P. Dicionário das plantas úteis e das Exóticas Cultivadas. Rio de Janeiro. Imprensa Nacional, 1926-1978.il.

 CORREA JR., C.; MING, L.C. SCHEFFER, M.C. Cultivo de Plantas Medicinnais, Condimentares e Aromáticas. Curitiba, EMA



Leave a Reply